ROI de viagens corporativas: qual a importância e como calcular?

  • Home
  • Curiosidades
  • ROI de viagens corporativas: qual a importância e como calcular?

A gestão empresarial tem como finalidade última aumentar a produtividade e lucratividade dos negócios, bem como reduzir os gastos. Nesse sentido, o ROI de viagens corporativas é um dos indicadores gerenciais de maior relevância na análise performática dos colaboradores viajantes.

Afinal, por meio desse simples cálculo, gestores são capazes de avaliar o valor real das receitas líquidas auferidas nessas estratégias empresariais. A partir disso, caso necessário, planejamentos passam a ser elaborados de modo mais contundente para alavancar os resultados dessas viagens.

Quer entender melhor o que é o ROI? Qual a sua importância nas empresas? Como mensurá-lo? Então, continue a leitura deste post!

O que é o ROI?

Return On Investiment ou, em português, Retorno Sobre o Investimento é um indicador, especialmente utilizado pelos setores financeiros das empresas para avaliar o lucro real obtido após os investimentos feitos nas diversas áreas do negócio.

Sendo assim, os gestores também podem utilizá-lo para identificar a porcentagem de lucro obtida nas negociações, nos treinamentos feitos fora do estabelecimento ou em outro motivador que justifica a viagem corporativa.

Logo, diante dessa análise, novas táticas podem ser repensadas para minimizar os prejuízos e maximizar os lucros empresariais. Além disso, a eficácia desse indicador se destaca pela sua aplicabilidade em quase todo tipo de segmento, desde que mensuráveis os valores que serão utilizados no cálculo.

Qual a importância do ROI de viagens corporativas?

Existe uma gama de variáveis a ser considerada antes, durante e após as viagens corporativas. Isso para que os objetivos previamente definidos sejam alcançados de modo satisfatório a nível qualitativo e quantitativo.

Para tanto, todos os investimentos precisam estar fundamentados em projeções palpáveis de resultado na medida em que viagens sem planejamentos são, quase sempre, sinônimos de prejuízos e perda do tempo dos colaboradores.

Confira, na sequência, a relevância do ROI nos principais pontos de atenção nessas viagens!

Análise sistemática dos gastos

Seja qual for o motivo da viagem corporativa, muitos são os gastos despendidos pelas empresas, como hospedagem, passagem aérea e alimentação. No entanto, quando bem investidos, esses montantes podem surtir exatamente os efeitos esperados.

Para isso, o ROI é peça fundamental, visto que viabiliza a análise sistemática dos gastos de acordo com cada cenário empresarial. Afinal, o cálculo do retorno sobre esses investimentos indica a necessidade ou não da adoção de novas medidas para a redução dos custos, a fim de aumentar os lucros.

Planejamentos estratégicos

A partir desses dados numéricos, os gestores obtêm uma visão mais ampla quanto às receitas líquidas efetivamente auferidas. Dessa forma, havendo necessidade, planejamentos estratégicos podem ser reformulados sob amparo nas experiências prévias das empresas.

Assim, a escolha de acomodações localizadas próximas aos principais centros urbanos, por exemplo, pode facilitar a locomoção dos colaboradores durante o período de estadia fora — o que, em consequência, otimiza todo o tempo de trabalho.

Políticas de reembolso

A eficácia das políticas corporativas também pode ser aprimorada mediante a prévia análise do ROI de viagens corporativas — com maior ênfase nas diretrizes sobre o reembolso dos colaboradores.

Isso porque a regulamentação dentro das empresas no que diz respeito às reais possibilidades de contratação de serviços pelos viajantes, enquanto fora da companhia, evita a ocorrência de gastos excessivos ou incompatíveis com os objetivos dessas viagens.

Para isso, todo o regramento precisa ser elaborado com objetividade e clareza, a fim de facilitar ao máximo o resgate de valores, como as diárias de viagem. Isso influi na diminuição das despesas.

Maximação dos lucros

A avaliação dos gastos, a elaboração de planejamentos mais categóricos e a listagem das hipóteses de reembolso são medidas que podem ser mais bem aplicadas com a prévia apuração do ROI das viagens. Tudo isso para que, ao final, gestores consigam maximar a lucratividade dos negócios.

Nesse sentido, os almoços executivos são exemplos de práticas bastante comuns e que abarcam esses três fatores. Isso porque além de auxiliarem na quebra da formalidade com clientes, esses investimentos alinham-se ao budget das empresas e fomentam, ainda mais, as chances de retorno lucrativo.

Parcerias com hotéis executivos

Não há dúvidas da relevância do ROI na avaliação sistemática de todos os pontos de maior atenção dos gestores para a obtenção de resultados mais satisfatórios nas viagens corporativas.

No entanto, muitas vezes, esses planejamentos consomem bastante o tempo dos colaboradores para a identificação das melhores ofertas de acomodação, sem desconsiderar o conforto e bem-estar durante as estadias.

Por isso, a realização de cadastros de parceria com grandes nomes da hotelaria facilita esse processo de busca, inclusive, para as próximas viagens. Sem esquecer que também minimiza os gastos nas futuras contratações, diante da atualização via e-mail sobre descontos e ofertas pelos hotéis parceiros.

Como é feito o cálculo?

Depois de compreender o conceito e a importância desse indicador nas viagens corporativas, é chegada a hora de conferir de perto como é realizado o seu cálculo. Vale destacar que há duas fórmulas distintas: ROI simples e ROI aprofundado. Aqui, abordaremos tão somente a primeira modalidade.

Em suma, o ROI simples tem como resultado final a porcentagem do retorno sobre o investimento sem, no entanto, considerar os gastos de natureza tributária e de depreciação operacional. Ainda assim, a depender dos objetivos dos gestores, esse indicador é uma ferramenta inicial bastante eficaz para a análise financeira.

Para isso, basta que seja subtraída a receita bruta pelos custos gerais. Em seguida, divide-se o resultado pelos mesmos custos gerais, multiplicando-se tudo por 100. O valor final corresponderá à porcentagem de lucro obtida pela empresa a partir do investimento analisado. Veja a fórmula:

  • ROI simples (%) = [ (receita bruta – custos gerais) / custos gerais ] x 100

Portanto, as viagens corporativas são importantes medidas estratégicas nas empresas, porquanto aumentam as chances de captação de novos clientes e alavancam as receitas líquidas dos negócios.

Para isso, o ROI é um indicador financeiro de conferência sobre o retorno obtido bastante utilizado nas empresas. Afinal, com esse simples cálculo, gestores são capazes de identificar a efetividade das viagens e decidir pela manutenção ou reformulação das táticas de venda até então adotadas.

Achou interessante nosso post sobre o ROI de viagens corporativas? Então, não deixe de assinar nossa newsletter para se manter atualizado sobre esses e muitos outros temas relacionados a viagens de negócio.

Deixe um comentário

Share This